SINDSAUDESP SINDSAÚDE-SP

Que em 2014 estejamos juntos e fortes na luta por salário decente e condições de trabalho dignas!
  • São Paulo, 29 de julho de 2014
  • Webmail

Sob vigília, Governo anuncia projeto de reajuste salarial

Por SINDSAÚDE-SP
Quarta-feira, 7 de maio de 2008

A vigília de trabalhadores da saúde, delegados sindicais e diretores do SindSaúde-SP na Secretaria de Gestão Pública, realizada ontem, conseguiu que o Governo se comprometesse publicamente em enviar projeto de reajuste salarial no prazo de 15 a 20 dias e garantiu sua aprovação antes do período eleitoral.

Munidos com barracas, sacos de dormir e cobertor, os trabalhadores estavam dispostos a pernoitar em vigília até que houvesse uma negociação efetiva. Felizmente não foi necessário. Uma comissão do SindSaúde-SP e da CNTSS (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social) foi recebida pelo secretário de Gestão Pública, Sidney Beraldo. Ele informou que o Governo do Estado já tem um projeto salarial para a saúde, porém a Secretaria da Fazenda não aprovou o impacto financeiro.

Segundo o secretário, o projeto prevê reajuste salarial e incorporação de gratificação, mas não quis falar em valores nem identificar a gratificação. Como o projeto partiu da Secretaria da Saúde, o secretário Sidney Beraldo achou melhor a Secretaria da Saúde apresentar o projeto ao Sindsaúde-SP.

Mas ele garantiu que no prazo de 15 a 20 dias o projeto será encaminhado para votação na Assembléia Legislativa e estará aprovado dentro do prazo determinado pela lei eleitoral, que proíbe aumentos salariais no período próximo às eleições.

Apesar de o SindSaúde-SP estar se reunindo com o Governo há mais de 15 meses, a Secretaria da Saúde encaminhou proposta sem apresentá-la ao Sindicato. Mas com a mobilização, a Secretaria da Saúde deve apresentar as propostas ao SindSaúde-SP na segunda-feira, 12/05.

Em relação à regulamentação da jornada dos administrativos, o secretário de Gestão Pública informou que os novos funcionários já entrarão pelo quadro específico da Saúde, porém o debate jurídico em relação aos atuais administrativos continua.

A vigília foi uma importante estratégia da Campanha Salarial. Houve ampla divulgação para a imprensa, a população, entidades sindicais e movimentos populares. A presença do presidente da Comissão de Saúde da Assembléia Legislativa de São Paulo, deputado Adriano Diogo (PT), e do presidente, Carlos Ramiro, e do diretor Roberto Guido, ambos da Apeoesp, do Sindicato dos Radialistas e do movimento popular da saúde, fortaleceu a luta dos trabalhadores da saúde.

Diante da perspectiva de avanços efetivos na negociação, os dirigentes e delegados sindicais decidiram suspender a vigília, deliberando nova reunião do Conselho Estadual de Delegados Sindicais de Base no dia 16 de maio para avaliar as propostas que a Secretaria da Saúde deve apresentar ao Sindsaúde-SP no dia 13 de maio.

Ao encerrar a vigília, o presidente do SindSaúde-SP, Benedito Augusto de Oliveira, se mostrou otimista. "A disposição das companheiras e dos companheiros em permanecer em frente à Secretaria de Gestão Pública, com a possibilidade de dormir ao relento nesse frio de outono, foi o sinal de que a categoria está de fato mobilizada para a luta. E isso também ficou claro para o Governo."



Comentar esta matéria (0)

Não há comentário cadastrado





Filiado a

© 2003 - 2010 Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo
Registro Sindical 000.000.97165-0